Portada del sitio > Documentos > Brasil: Comités de la Copa lanzan dossier sobre violaciones causadas por (...)

Camila Queiroz, periodista de ADITAL
Brasil, 12 diciembre 2011

Brasil: Comités de la Copa lanzan dossier sobre violaciones causadas por megaeventos

Miércoles 14 de diciembre de 2011, por Redacción

Los Comités Populares de la Copa, presentes en las 12 ciudades que serán sede del megaevento en Brasil, en 2014, lanzaron el lunes 12 de diciembre el dossier Megaeventos y Violaciones de Derechos Humanos en Brasil. El documento, de 138 páginas, fue entregado ese mismo día en un acto realizado en siete de las 12 ciudades.

(imagen: sede de la FIFA en Zurich - wikipedia).

En Belo Horizonte, capital del estado de Minas Gerais, hubo una marcha que salió de la Plaza 7 en dirección a la Alcaldía. De acuerdo con el integrante del Comité Popular de los Damnificados por la Copa, Gustavo Pesali, la entrega fue simbólica; sin embargo, en los próximos días el documento será protocolado en el Ministerio Público, en el Gobierno Municipal, en el Estado y en órganos responsables del medio ambiente.

Además, ministerios del Gobierno Federal, el Banco Nacional de Desarrollo Económico y Social (BNDES), la Controladuría General de la Unión, el Tribunal de Cuentas de la Unión, la Comisión de Derechos Humanos de la Organización de los Estados Americanos (OEA), la Organización Internacional del Trabajo (OIT), y relatorías especiales de la Organización de las Naciones Unidas (ONU) también recibirán una copia.

El documento se divide en siete temáticas –vivienda, trabajo, acceso a la información, participación y representación popular, medio ambiente, movilidad, acceso a servicios y bienes públicos, seguridad pública y elitización, "europeización" y privatización del fútbol.

Gustavo destaca la reivindicación del Comité Popular para que el ordenamiento de la ciudad sea, a pesar de las contradicciones y conflictos existentes, lo más armónico e inclusivo posible. "Al contrario de eso, lo que hemos visto es el interés por expulsar a las poblaciones pobres. Copa y Olimpíadas sólo vienen a reforzar ese proceso, hacerlo más rápido y agresivo”, destaca.

Un ejemplo es lo que ocurre en Belo Horizonte, y se repite en todas las ciudades sede, con algunas variaciones. "En las comunidades con bajos ingresos, las indemnizaciones no han sido previas y justas, como determina la ley; se produce el retiro de la población para abrir vías. Personas en situación de calle y mujeres que se prostituyen han sido retiradas del espacio público, así como vendedores ambulantes que han sido perseguidos. Es lo que llamamos higienización de la pobreza”, relata.

Las bajas indemnizaciones no permiten al habitante adquirir otro inmueble en la capital, y hasta en la Región Metropolitana es difícil. "La tierra está supervalorizada y la Ley de Ocupación de Suelos no destinó áreas para viviendas populares. Las personas salen de la ciudad y van a lugares con infraestructura precaria, donde pierden la calidad de vida que tenían antes”, explica. Cerca de 160 mil familias están amenazadas de remoción en todo el país por obras relacionadas con los megaeventos.

Ante esto, los Comités luchan para que la población sea tratada con tranquilidad, inclusión e inserción en el mercado. "La copa puede producir puntos positivos, pero ¿para quién? Hasta el momento, sólo para grandes empresas. Los vendedores de ferias del Mineirão (estadio de Belo Horizonte) trabajan en los alrededores del estadio desde hace 40 años, son varias generaciones ya, y ahora se les prohibió, por el Código Municipal, trabajar allí. Lo que va a haber en su lugar son los patrocinadores de la Copa. Esto fue planeado por gestores, sin la participación democrática de la sociedad”, critica.

Otro punto que merece la atención de los militantes de los Comités es la Ley General de la Copa [1], que demuestra la ingerencia de la Fifa en Brasil. El órgano privado propone, por medio de este instrumento que será votado por el Congreso Nacional en las próximas semanas, alteraciones inconstitucionales, que hieren, por ejemplo, el derecho de ir y venir y el Código de Defensa del Consumidor.

"Es un gravamen democrático muy grande. ‘Brasil, país del fútbol’, termina cayendo en la política de pan y circo”, alerta Gustavo. Él recuerda además lo ocurrido con países que fueron sede de la Copa en ediciones anteriores: tuvieron muchos perjuicios, están endeudados y violaron derechos humanos. "En Sudáfrica, pusieran personas a vivir en conteineres y ahora la iniciativa privada quiere demoler los estadios, porque el costo de mantenimiento es mucho mayor que la demanda, entonces fueron miles de millones de las arcas públicas desperdiciadas, y Brasil corre el riesgo de sufrir lo mismo”, señala.

De acuerdo con la Carta de la Articulación Nacional de los Comités Populares de la Copa, ya está prevista la cantidad de R$ 24.000 millones de recursos públicos (10 veces el presupuesto del Ministerio de Deportes en 2011) en las obras de las 12 ciudades sede.

Actos

Además de Belo Horizonte, los Comités de Río de Janeiro, Curitiba, Natal, Brasilia, Porto Alegre y San Pablo salieron a las calles para denunciar las violaciones de Derechos Humanos vinculadas con los megaeventos y hacer la entrega simbólica del documento.

(Traducción: Daniel Barrantes – barrantes.daniel@gmail.com)

Fuente: Adital - Noticias de América Latina y Caribe

Más información: Portal Popular da Copa e das Olimpíadas [2].

(14 de diciembre de 2011)


[1Miércoles 02 de Noviembre de 2011

Romario asegura que la FIFA no puede mandar en Brasil

por Juan Carlos Gómez Solis

El diputado y ex jugador brasileño criticó una disposición contenida en el proyecto de Ley General de la Copa del Mundo que exime a la FIFA de responsabilidad en caso de daños sufridos por los aficionados.

El diputado y ex futbolista brasileño, Romario de Souza Faría, dijo este martes que la FIFA "no puede mandar" en Brasil, esto durante un debate parlamentario sobre el proyecto de ley que establece las normas para la celebración del Mundial de Fútbol 2014.

"La FIFA no puede mandar en nuestro país", dijo el parlamentario del Partido Socialista Brasileño (PSB), grupo perteneciente a la coalición del Gobierno, en la Cámara de Diputados brasileña, según un comunicado.

En concreto, Romário criticó una disposición contenida en el proyecto de Ley General de la Copa del Mundo que exime a la FIFA de responsabilidad en caso de daños sufridos por los aficionados y abogó por la proposición de una enmienda para que la responsabilidad sea solidaria.

El proyecto de ley forma parte de las garantías ofrecidas por Brasil a la FIFA y busca armonizar la legislación del país con las exigencias del organismo deportivo para la celebración del evento.

Otros legisladores se sumaron a las críticas, como el diputado del Partido de la República, José Rocha, quien declaró que no se puede permitir la creación de "un estado FIFA dentro del estado brasileño".

No es la primera vez que Romario, quien jugó en el Barcelona, manifiesta su disconformidad con la norma en debate en la Cámara.

El pasado mes de octubre, el ex internacional utilizó su cuenta de Twitter para defender las leyes brasileñas vigentes.

"Brasil tiene que acabar con ese asunto de ser esclavo de la FIFA. La soberanía del país tiene que ser respetada", dijo entonces.

Fuente: Ultra Deportes.

[211 Dec 2011

Megaeventos: Qual legado nós queremos para o Brasil?

Escrito por Comitê Rio de Janeiro

No momento em que a gente deixa parte da população fora da cidade, não há condição de falar em democracia”. A afirmação da professora da FAU/USP Ermínia Maricato foi feita durante o primeiro encontro da série de debates “Copa: Esporte, Paixão e Negócio”, promovida pelo Comitê Popular Rio Copa e Olimpíada. No auditório da ABI, no centro do Rio, Ermínia dividiu o palco com o jornalista Juca Kfouri e com o historiador Luiz Antônio Simas. Eles falaram sobre a falta de transparência nos preparativos dos megaeventos, a elitização do futebol e a ausência de um legado efetivo para a sociedade brasileira.

O jornalista Juca Kfouri começou sua apresentação comentando sobre um dos problemas mais graves dos preparativos para a Copa do Mundo de 2014: as remoções e desapropriações que estão sendo feitas nas 12 cidades-sedes brasileiras (veja Relator acompanha denúncias de violação do direito à moradia no Rio de Janeiro). De acordo com Kfouri, situação semelhante ocorreu na Cidade do Cabo durante os preparativos para a Copa da África do Sul. “Uma das situações mais angustiantes que eu vi na vida foi a tal cidade de lata. Era o local para onde foram levadas aproximadamente 4 mil famílias desalojadas para a construção de um dos estádios mais lindos que existe no mundo que é o Green Point. O governo africano prometeu que seriam casas provisórias, mas até hoje eles estão lá vivendo em condições deploráveis”, afirma.

O jornalista criticou também a preparação do Brasil para os Jogos Olímpicos de 2016; segundo ele, pela primeira vez, em mais de 100 anos dos jogos modernos, o presidente do Comitê Olímpico Nacional (caso de Carlos Arthur Nuzman) irá presidir o Comitê Organizador das Olimpíadas. “O problema maior é que não há nesse comitê um nome sequer que a sociedade brasileira se sinta representada. Quer dizer, me dê um motivo para acreditar que os Jogos Olímpicos de 2016 serão diferentes do que aconteceu nos Jogos Pan-Americanos do Rio? Porque são as mesmas pessoas que estão organizando. No Pan, eles prometeram os jogos por R$ 400 milhões de investimento público, mas custaram quase R$ 4 bilhões. Prometeram despoluir a Lagoa Rodrigo de Freitas e a Baía de Guanabara, além de ampliar as linhas de metrô da cidade. Eles não entregaram nem uma coisa, nem outra”, argumentou.

A mesma lógica se repete no Comitê Organizador da Copa de 2014. Kfouri contou que Copa da França de 1998, o presidente do Comitê era Michel Platini –um dos mais brilhantes jogadores franceses–, e não o presidente da Confederação de Futebol Francês. Na Alemanha, o presidente do Comitê também não era aquele que presidia a Confederação Alemã de Futebol, mas sim Franz Beckenbauer –talvez o maior jogador da história do futebol alemão. “No Brasil, certamente porque nos falta um grande nome no futebol mundial, o presidente do Comitê Organizador da Copa do Mundo é o mesmo da Confederação Brasileira de Futebol, o senhor Ricardo Teixeira, que logo se apressou em montar um comitê à sua imagem e semelhança: a diretora executiva é a sua filha, Luana Havelange; o homem de imprensa é o mesmo da CBF, Rodrigo Paiva; o diretor jurídico é o advogado pessoal de Ricardo Teixeira e, também, cunhado de Daniel Dantas. Quer dizer, não há um nome que a sociedade brasileira se sinta representada”, afirmou.

Eu acho que o Brasil pode fazer uma Copa do Mundo, sim. Já fez em 1950 e pode fazer de novo. Fazer a Copa do Mundo do Brasil no Brasil. E não a Copa da Alemanha no Brasil. O que significa isso? Significa que não podemos fazer 12 arenas, ou melhor, vários elefantes brancos. Porque, por exemplo, em Cuiabá não existe sequer futebol profissional. Em Natal, o estádio vai se chamar Dunas –e deve servir ao turismo, acredito. No Recife, cidade que já tem três estádios dos seus grandes clubes, agora vai construir mais um no brejo. Em Brasília, será construído um estádio para 70 mil pessoas, para os jogos do Brasiliense contra o Gama”, ironizou.

Juca Kfouri afirmou ainda que o maior absurdo em relação a estádios é a construção do Itaquerão, na zona Oeste de São Paulo. “Na capital paulista existe um estádio que há 50 anos vem recebendo jogos internacionais da Fifa –da seleção brasileira, da Libertadores, do primeiro Mundial da Fifa–, chamado Estádio do Morumbi. Quer dizer, então, que o Morumbi não serve para receber cinco ou seis jogos durante um mês de evento. Alguém pode me dizer o que isso significa?”, disse e completou: “Podem perguntar se considero o Estádio do Morumbi ideal para receber os jogos da Copa? Ideal não considero, mas ideal deve ser o aeroporto, o sistema hospitalar, o sistema de transportes, as vias de acesso, a rede hoteleira, para que a cidade se prepare na sua infraestrutura para o evento e que, depois, tenhamos algo efetivo para a população. Mas não, vamos construir 12 estádios!”.

Juca Kfouri concluiu a apresentação afirmando que o desejo não é o de impedir a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos no Brasil, mas de fazer com que o processo seja mais transparente, correto e que atenda a população, e não os interesses privados. “Nós sociedade civil brasileira somos capazes de impedir que certas coisas aconteçam, podemos lutar para que esse processo seja um pouco menos selvagem. Isso nós podemos”.

A construção de uma sociedade desigual

O depoimento da professora e urbanista Ermínia Maricato teve o tom do desabafo. Testemunha da história recente da Reforma Urbana no Brasil –primeiro na função de militante e segundo como observadora; professora da FAU/USP há mais de 36 anos; secretária de Habitação do município de São Paulo (1989-1992) e integrante da equipe que formulou a proposta da criação do Ministério das Cidades, Ermínia esteve envolvida com o tema do planejamento urbano brasileiro durante os seus 40 anos de profissão. Ao começar sua apresentação, ela falou da relação entre a Copa do Mundo e a cidade via negócio, já que a Copa representa apenas um grau a mais no processo selvagem de construção das cidades brasileiras.

Infelizmente, temos de admitir que a elite brasileira não quer que os trabalhadores fiquem na cidade. Durante o dia, os trabalhadores podem ficar na cidade oferecendo sua mão-de-obra, mas depois a elite quer que eles desapareçam, porque eles não querem cuidar da habitação e educação dos trabalhadores, nem do transporte que é uma situação de calamidade para qualquer cidade brasileira. E nós temos no Brasil uma desigualdade que é uma das maiores do mundo. E isso num contexto positivo para o País, já que voltamos a ocupar a sexta posição do PIB do mundo, e, no entanto, temos uma das situações mais desiguais do mundo”, afirmou.

Ermínia comentou que o IBGE divulgou os últimos dados sobre a desigualdade brasileira os quais mostram que 10% da população brasileira concentram 75% da renda, sendo que parte dessa concentração é resultante da renda fundiária e imobiliária.

A valorização imobiliária é um dos grandes negócios da Copa do Mundo. A professora conta que visitou a África do Sul durante a Copa, e conheceu um conjunto habitacional na Cidade do Cabo para 600 mil pessoas. “Dá para imaginar isso? Um depósito de gente, reunindo 600 mil pessoas em situação de pobreza. Situação parecida está sendo vivida pelos moradores de Vila Autódromo, no Rio de Janeiro. Vemos que não há razão para eles sejam retirados dali; a única explicação é a do lucro, é a lógica de valorização imobiliária. Como uma região pode se valorizar se os trabalhadores pobres vivem ali?”.

Essa questão de que na cidade não cabem os trabalhadores é uma questão grave e séria, e que faz parte do nosso cotidiano. E muita gente, que é o senso comum, acha que os moradores de favelas ou de loteamentos ilegais são um apêndice da cidade. Mas isso não é verdade. Frequentemente, eles são regra, e não exceção”, afirmou.

Ermínia argumentou que na cidade do Rio de Janeiro, por exemplo, pesquisas mostram que 50% dos domicílios estão em situação ilegal. E situação parecida pode ser verificada em Belém, São Luís, Fortaleza, Natal, Recife, Salvador e outras cidades. “Eu já escrevi mostrando que a lei é usada de forma completamente ambígua no Brasil: às vezes para incluir, outras para excluir. De forma muito arbitrária. Quando eu sei que mais da metade de uma cidade está fora da lei, o que significa a lei. O que adianta termos uma das leis mais avançadas do mundo como o Estatuto da Cidade que não é respeitado?”.

O esporte símbolo da cultura brasileira

O futebol no Brasil começou como um esporte das elites e, ao longo do processo histórico, ele vai se popularizando, de certa maneira é como se as massas tivessem tomado o futebol para elas. Eu acho que agora começamos a ver uma inversão perversa que é o retorno do elitismo no futebol. Ou seja, o esporte que começou sendo praticado pelas elites e, depois, se popularizou, agora volta a ser elitista de novo”. A afirmação do historiador Luiz Antônio Simas resume bem o processo pelo qual o futebol brasileiro tem passado nos últimos anos: a paixão pelo clube e por todos os símbolos que fazem parte dele –sua história, cidade, bairro, camisa, flâmula e personagens– começam a ser deixados de lado em prol de um futebol de gestão, de resultados e de negócio.

Segundo o historiador, os preparativos para a Copa do Mundo 2014 representam bem esse processo. “Os governantes estão falando agora da privatização do Maracanã, que não é mais um estádio, mas um palco da história de uma das maiores paixões do carioca e do povo brasileiro. Além disso, o futebol passou a ser tecnocrático, com uma linguagem do mundo dos negócios: agora não temos mais estádios, mais arena multiuso; não é mais banco de reserva, mas plantel de reposição; e o craque desapareceu, surgindo no lugar dele o jogador diferenciado”.

Luiz Antônio Simas argumentou ainda que dois caminhos se desenharam como possíveis para o futebol brasileiro: o da economia da cultura ou da cultura da economia. Sendo que o que se vê atualmente é a cultura da economia predominando, ou seja, o negócio dita tudo. “É preciso entender a dimensão simbólica do futebol, de construção de uma identidade nacional, numa das raras capacidades de ascensão das camadas populares em um País que após o processo de fim da escravidão não abriu espaço formal para a inserção das massas. Logo, a questão simbólica do futebol é imensa. Quando vemos aquela cena de 1958 do Rei Gustavo da Suécia cumprimentando um descendente de índio funi-ô, Garrincha, e um negro, Pelé, aquilo tem um significado maravilhoso para o Brasil. Esse mundo da gestão empresarial apaga ou ignora todo esse cabedal simbólico que o futebol tem, e do que é ser brasileiro”, defende.

A minha proposta é por uma economia da cultura, ou seja, que se submeta a economia à Cultura, já que ela é o campo de representações simbólicas, das projeções de anseios e reinvenção da vida. E o futebol faz parte disso no Brasil”.

Mais nesta categoria: «Copa do Mundo – De qual legado se está falando?

- Portal Popular da Copa e das Olimpíadas.